Classes de Palavras Variáveis

Resumo teórico das palavras variáveis             

 

SUBSTANTIVO Palavra que serve para designar os seres, atos ou conceitos; nome.

Substantivos de dois números: Aqueles que têm a mesma forma para o singular e o plural: lápis, vírus, ônibus.

Substantivos de dois gêneros: Os que têm a mesma forma para seres de ambos os sexos, sendo o gênero marcado pelo artigo que os precede. Exemplos: o/a colega, o/a agente, o/a lojista.

Substantivos sobrecomuns: Os que apresentam a mesma forma para o masculino e o feminino, não variando sequer o artigo ou o adjetivo que os acompanha. Exemplos: a pessoa, a vítima, a criança, o cônjuge, o monstro.

VERBO: Palavra que expressa ação, estado ou fenômeno. É a classe gramatical mais rica em variação de formas, podendo mudar para exprimir modo, tempo, pessoa, número e voz. No dicionário, são encontrados no modo infinitivo, que é, por assim dizer, o nome do verbo. Exemplos: Fugir, estar, chover, comprar, ser, anoitecer.

ADJETIVO: Palavra que se relaciona com o substantivo para lhe atribuir uma qualidade. Exemplos: mulher linda, livro divertido, árvore alta, olhos azuis.

Adjetivo de dois gêneros: É um adjetivo que mantém a mesma forma tanto quando se refere a substantivos masculinos quanto a femininos. Exemplos: Sugestão aceitável, convite aceitável, obra incrível, livro incrível, rapaz adorável, moça adorável.

Adjetivo de dois gêneros e substantivo de dois gêneros

Trata-se de palavra que pode ser classificada como adjetivo ou como substantivo e mantêm a mesma forma para os dois gêneros. Exemplos: Um jovem rebelde (neste caso, jovem é o substantivo e rebelde, sua qualidade, o adjetivo). Um rebelde jovem (neste caso, ocorre exatamente o contrário)

ARTIGO: Palavra que se coloca antes do substantivo, para determiná-lo ou indeterminá-lo, indicando seu gênero e número (artigo definido: a, as, o, os) ou (artigo indefinido: um, uma, uns, umas).

PRONOME: Palavra que substitui o nome ou que o acompanha para tornar claro o seu significado. Os pronomes se dividem nas seis grandes classes a seguir:

Pronomes pessoais: Designam as três pessoas do discurso (no singular ou no plural). Eu, tu, ele, ela, nós, vós, eles, elas. Me, te, se, lhe, o, a, nos, vos, se, lhes, os, as. Mim, comigo, ti, contigo, si, consigo, conosco, convosco.

Obs.: Também são pessoais os pronomes de tratamento: você, o senhor, a senhora, vossa senhoria, vossa Excelência, etc.

Pronomes possessivos: Indicam a posse em relação às pessoas do discurso: Meu, minha, meus, minhas, nosso, nossa, nossos, nossas, teu, tua, teus, tuas, vosso, vossa, vossos, vossas, seu, sua, seus, suas.

Pronomes demonstrativos: Indicam o lugar ou a posição dos seres em relação às pessoas do discurso.

1ª. Pessoa: Este, esta, estes, estas, isto.
2ª. Pessoa: Esse, essa, esses, essas, isso.
3ª. Pessoa: Aquele, aquela, aqueles, aquelas, aquilo.

Pronomes relativos: Representam numa oração os nomes mencionados na oração anterior. Exemplo: O livro que comprei é muito bom. São pronomes relativos: que, quem, quanto(s), quanta(s), cujo(s), cuja(s), o qual, a qual, os quais, as quais.

Pronomes indefinidos: Referem-se à terceira pessoa do discurso num sentido vago ou exprimido quantidade indeterminada. Exemplos: Quem espera sempre alcança. São pronomes indefinidos: algum, nenhum, qualquer, ninguém, onde etc.

Pronomes interrogativos: Os pronomes indefinidos que, quem, qual, quanto, quando são usados para formular uma pergunta.

NUMERAL: Palavra que designa os números ou sua ordem de sucessão. Exemplos:

Cardinais: quatro, vinte, trinta.
Ordinais: quarto, vigésimo, trigésimo.
Fracionários: meio, um terço, um quinto.
Multiplicativos: duplo, triplo, quádruplo.

Classificar palavras é agrupá-las segundo propriedades e funções comuns. Não basta memorizá-las. Mais importante é atentar para o valor semântico desempenhado pelas palavras. É preciso reconhecer intenções e nuances que estão por trás da escolha de um substantivo na fala de um político, por exemplo. Por que em alguns contextos se fala em “governo”, em outros, “nação”? Ou para perceber a intenção decorrente da troca de um adjetivo, como em “selecionamos as modelos mais magras” por “selecionamos as modelos mais leves”.

Nos verbos, convém dar atenção aos usos dos tempos e modos. O presente do indicativo, por exemplo, nem sempre faz referência a eventos concomitantes ao ato de fala. Em manchetes jornalísticas é usado para sugerir um efeito de aproximação e atualidade a eventos já ocorridos.

Classes de palavras mais relacionadas à coesão textual, como pronomes, preposições e conjunções, são termos cujo sentido só se atualiza dentro de contexto e que estabelecem relações semânticas fundamentais para a interpretação. Na peça O Bem-amado: farsa sócio-político-patológica, de Dias Gomes, há a fala:

ODORICO: Povo sucupirano! Agoramente já investido no cargo de prefeito, aqui estou para receber a confirmação, ratificação, a autenticação e, por que não dizer, a sagração do povo que me elegeu.

O que leva Odorico a usar a expressão “por que não dizer”? Ela é usada em contextos em que sentimos antecipadamente que a fala seguinte pode ser polêmica. A inclusão da expressão indica que quem fala considera aquilo que dirá tão adequado à situação que prefere correr o risco de ser mal compreendido a abrir mão da justeza do dito. Já o substantivo “sagração” indica atribuição de caráter sagrado, em cerimônia religiosa. A escolha desse substantivo denuncia a autopromoção e a grandiloquência típicas do discurso estereotipado do coronelismo provinciano. A expressão que o antecede justifica seu uso, refutando eventuais acusações de imodéstia.

 

One thought on “Classes de Palavras Variáveis

  1. Luiz Alberto disse:

    Material ajudou bastante.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Garanta sua vaga!

Insira abaixo suas informaçães para efetuar o pré-cadastro neste curso.

 
Desafio Linguístico
Newsletter
Cadastre-se e receba novidades em seu e-mail.
82 8816.3133 | 82 9912.0630
made in zeropixel